Suicídio

suicídio

O suicídio ainda hoje é um assunto extremamente polêmico. Muitas perguntas, preconceitos e medos cercam essa temática. Nesse sentido, o receio é de que, ao abordar o assunto, exista a possibilidade de isso, de alguma forma, estimular pessoas vulneráveis a cometer o ato. Contudo, é importante esclarecer dúvidas importantes e tratar desse tema com muito cuidado, de maneira bastante delicada.

O que é suicídio e comportamento suicida?

O suicídio é o ato extremo de tirar a própria vida. De acordo com a American Foundation for Suicide Prevention, nos EUA, por exemplo, o suicídio encontra-se na décima posição de causas de morte, tirando a vida de aproximadamente 47000 pessoas todos os anos. No Brasil, entre os anos de 2011 e 2018, houve um aumento de 10% no número de casos entre jovens de 15 a 29 anos.

O comportamento suicida caracteriza-se por se referir a falar sobre ou tomar atitudes relacionadas a ferir a si mesmo. Comportamento e pensamentos suicidas devem ser considerados emergências psiquiátricas. Se você ou algum conhecido esteja passando por isso, você deve procurar assistência médica imediata

Sinais de alerta para tentativas de suicídio

Você não consegue ver como uma pessoa está se sentindo por dentro, por isso é difícil identificar quando alguém está tendo pensamentos suicidas. Contudo, alguns sinais externos que indicam a possibilidade de alguém cometer suicídio incluem:

  • Falar sobre sentimentos de desesperança, de prisão ou de solidão
  • Dizer que não possui mais razões para viver
  • Fazer um testamento ou doar posses pessoais 
  • Procurar meios de machucar a si próprio, como arranjar algum tipo de arma
  • Dormir demais ou muito pouco 
  • Comer demais ou comer muito pouco, resultando em grande aumento ou perda de peso
  • Começar a ter comportamentos imprudentes, incluindo abuso de álcool ou de outras substâncias 
  • Evitar interações sociais 
  • Manifestar dramáticas alterações de humor 
  • Expressar sinais de extrema ansiedade, agitação ou raiva

Como conversar com alguém que pensa em suicídio

Se você suspeita de que algum familiar ou amigo está considerando cometer suicídio, converse com eles sobre as suas preocupações. Você pode começar a conversa fazendo perguntas sem julgar e sem confrontá-los. Fale abertamente e não fique com receio de fazer perguntas diretas, tais como “você está pensando em suicídio? ”. 

Durante a conversa, garanta que você:

  • Está calmo e está falando em um tom reconfortante, tranquilizador.
  • Reconhece que os sentimentos da pessoa são legítimos 
  • Está oferecendo suporte 
  • Diga que há ajuda disponível e que ela pode melhorar com tratamento adequado

Tenha certeza de que você não está diminuindo os sentimentos e problemas da pessoa ou de que você não está tentando envergonhá-la ou fazê-la se sentir culpada para que mude de ideia. Ouvir e demonstrar apoio é melhor jeito de ajudar. Você também pode (e deve) encorajá-la a buscar ajuda profissional. Ofereça-se para procurar junto com ela e acompanhá-la em sua primeira consulta.

Fatores de risco para o suicídio

conversa salva vida contra suicídio

Muitas vezes, não há uma única razão específica para que alguém decida tirar a própria vida. Inúmeros fatores podem aumentar o risco de suicídio, principalmente transtornos mentais como a depressão e ansiedade.

Entretanto, grande parte das pessoas que cometem suicídio não possuem alguma doença conhecida. Assim, além de transtornos psicológicos, outros fatores podem incluir:

  • Encarceramento 
  • Péssimas condições de trabalho ou extrema insatisfação profissional 
  • História de abuso ou de exposição à violência 
  • Diagnóstico de uma condição médica grave, tal como câncer ou HIV
  • Isolamento social ou vítima de bullying ou assédio
  • Abuso de substâncias químicas
  • Grandes perdas (luto, términos de relacionamento, demissões, etc)

O perfil daqueles que possuem que geralmente são mais propensos ao suicídio são homens, com mais de 45 anos. Embora seja um assunto delicado, o suicídio deve ser colocado em pautas de saúde mental e os meios de ajuda para enfrentá-lo devem ser divulgados. Se você está passando por algo parecido, fale conosco! A SOMENTE pode salvar a sua vida, basta agendar uma consulta, presencial ou online! Lembre-se: outras saídas existem.

Informação salva vidas